SITE DEDICADO AO MUNDO DO MODELISMO ESTÁTICO & MILITARIA

Translate to English Translate to Spanish Translate to French Translate to German Translate to Italian Translate to Russian Translate to Chinese Translate to Japanese
Sondagem
Qual a sua área de modelismo preferida?
Militar aéreo
Militar terrestre
Militar naval
Civil aéreo
Civil terrestre
Civil naval
Ficção
Outro
Ver Resultados

Rating: 4.1/5 (3734 votos)

ONLINE
1




Partilhe esta Página



 

 

PARCERIA


Os administradores deste site aceitam propostas de parceria para análise.

 


AJUDE A MANTER ESTE PROJETO

Donativos

 




Total de visitas: 489103
P&H - Vought A-7 Corsair II
P&H - Vought A-7 Corsair II

Vought A-7 Corsair II

- Avião Caça-Bombardeiro / Ataque ao solo - E.U.A. (1967) -

VOUGHT A-7 CORSAIR 

By Soares da Silva (self made by Soares da Silva) [CC BY-SA 2.5 ], via Wikimedia Commons


País de origem Fabricante
E.U.A. Ling-Temco-Vought Aerospace Corp. (LTV)
Produção total
Projeto antecedente
1.569 aparelhos Vought F-8 Crusader
1º voo
Período de produção
27 de setembro de 1965 1965 - 1984
Introduzido em
Retirado em
Fevereiro de 1967  
Período histórico
Principais utilizadores
Guerra do Vietname, médio oriente e guerra do Golfo  E.U.A.; Grécia; Portugal; Paquistão

RESUMO HISTÓRICO


O Vought A-7 Corsair ou “SLUF” (Short Little Ugly Fellow, do inglês “tipo baixo, atarracado e feio”), foi desenvolvido para a US Navy a fim de substituir o A-4 Skyhawk, tendo sido o seu principal aparelho de ataque ligeiro, desde meados do ano de 1966 até 1991.

A especificação que deu origem ao Vought A-7 Corsair foi publicada em 17 de Maio de 1963 e exigia um avião de ataque ligeiro, monolugar, não supersónico e baseado num modelo já existente. Para conseguir custos de produção mais baixos, exigia-se que fosse capaz de transportar uma carga bélica de 6.800 kg e tinha que estar concluído em meados de 1967.

Apresentaram-se a concurso 4 firmas: a Douglas, a Grumman, a North American e a Ling-Temco-Vought, tendo esta última concorrido com o Modelo V-463, que não era mais do que uma versão encurtada do caça embarcado F-8 Crusader, já com provas dadas desde 1955.

Surgiu assim uma máquina pouco complexa, mas potente e versátil, com capacidade para transportar quase 7 toneladas de armamento, durante 1200 km. Foi-lhe atribuída a sigla A-7A e o nome de Corsair II, em homenagem ao famoso caça embarcado da 2ª. Guerra Mundial, o Vought F4U Corsair.

O A-7 Corsair II era um avião monorreator e de asa alta. As suas asas tinham grandes hipersustentadores que permitiam aumentar a sustentação a baixa velocidade. Nas versões utilizadas pela Marinha, as asas tinham a opção de poder ser dobráveis nas extremidades, permitindo assim maior eficácia na arrumação dentro dos porões do porta-aviões.

Em 1966, o Corsair II foi também adotado pela USAF para missões de apoio aéreo próximo e interdição do campo de batalha, sob a designação de A-7D, tendo sido equipado com o motor turbo-fan Rolls Royce Spey. Este motor, fabricado sob licença, era mais potente que o turbo-fan F30-6 da Pratt & Witney, que equipava as primeiras versões.

Foram produzidas cerca de 1569 unidades, sendo algumas delas na versão bilugar. O A-7 foi vendido ao Paquistão, à Grécia e a Portugal (cerca de 50 unidades). A sua produção terminou 1984.


VARIANTES E VERSÕES


A-7A
- Tipo de aparelho -

 

Alçado Lateral
Alçado Superior Alçado Frontal Alçado Inferior 

 

Tripulação Comprimento Envergadura Altura Superfície alar
1  m  m  m  m2
Peso vazio
Peso máximo à descolagem
Velocidade máxima Autonomia Altitude operacional
 kg   kg  km/h  km   m 
Motorização
 
Armamento
  

RESUMO DA VARIANTE/VERSÃO


Texto justificado

 


PROFILES


   
   

 


Designação do aparelho (Variante/Versão)
- Tipo de aparelho -

 

Alçado Lateral
Alçado Superior Alçado Frontal Alçado Inferior 

 

Tripulação Comprimento Envergadura Altura Superfície alar
   m  m  m  m2
Peso vazio
Peso máximo à descolagem
Velocidade máxima Autonomia Altitude operacional
 kg   kg  km/h  km   m 
Motorização
1 turborreator Pratt & Whitney TF3
Armamento
  

RESUMO DA VARIANTE/VERSÃO


Os protótipos deste avião designaram-se YA-7A

 


PROFILES


   
   

 


A-7B
- Tipo de aparelho -

 

Alçado Lateral
Alçado Superior Alçado Frontal Alçado Inferior 

 

Tripulação Comprimento Envergadura Altura Superfície alar
1  m  m  m  m2
Peso vazio
Peso máximo à descolagem
Velocidade máxima Autonomia Altitude operacional
 kg   kg  km/h  km   m 
Motorização
1 turborreator Pratt & Whitney TF3
Armamento
  

RESUMO DA VARIANTE/VERSÃO


Esta versão era mais potente que a inicial e tinha a capacidade de operar tanto de dia como de noite.

 


PROFILES


   
   

 


A-7C
- Tipo de aparelho -

 

Alçado Lateral
Alçado Superior Alçado Frontal Alçado Inferior 

 

Tripulação Comprimento Envergadura Altura Superfície alar
   m  m  m  m2
Peso vazio
Peso máximo à descolagem
Velocidade máxima Autonomia Altitude operacional
 kg   kg  km/h  km   m 
Motorização
1 turborreator Pratt & Whitney TF3
Armamento
  

RESUMO DA VARIANTE/VERSÃO


Texto justificado

 


PROFILES


   
   

 


A-7D
- Avião Caça-Bombardeiro -

 

Alçado Lateral
Alçado Superior Alçado Frontal Alçado Inferior 

 

Tripulação Comprimento Envergadura Altura Superfície alar
1 14.06 m 11.81 m  m  m2
Peso vazio
Peso máximo à descolagem
Velocidade máxima Autonomia Altitude operacional
 kg  19 050 kg 1 123 km/h 1 150 km  12 800 m 
Motorização
1 turborreator Allison TF41-A-2 (versão construída sob licença do Rolls-Royce Spey) com um impulso de 6804 kg (66.72 kN)
Armamento
1 canhão M61 Vulcan de 20 mm e 4 310 Kg de armamento sob a fuselagem e asas.

RESUMO DA VARIANTE/VERSÃO


A USAF adotou a versão A-7D para substituir o Douglas A-1 Skyraider nas missões de apoio aéreo próximo. No entanto, exigiu um motor mais potente, sendo o aparelho equipado com um motor Allisson construído sob licença da Rolls-Royce.

Esta versão foi preparada para ser usada a partir de bases terrestres e tinha um recetáculo para reabastecimento situado sobre a fuselagem, designado por sistema “flying boom” e era normalizado para a Força Aérea. Foram construídos 459 aparelhos.

 


PROFILES


   
   

 


A-7E
- Tipo de aparelho -

 

Alçado Lateral
Alçado Superior Alçado Frontal Alçado Inferior 

 

Tripulação Comprimento Envergadura Altura Superfície alar
1 14.06 m 11.8 m 4.9 m 34.83 m2
Peso vazio
Peso máximo à descolagem
Velocidade máxima Autonomia Altitude operacional
8 676 kg  19 050 kg 1 111 km/h 1 981 km  13 000 m 
Motorização
1 turborreator Allison TF41-A-2 (versão construída sob licença do Rolls-Royce Spey) com um impulso de 6804 kg (66.72 kN)
Armamento
2 canhões Mk 12 de 20 mm

RESUMO DA VARIANTE/VERSÃO


Esta versão da Marinha tinha uma sonda para reabastecimento, situada à direita da fuselagem, logo abaixo do cockpit. Este conjunto era designado por “probe-and-drogue” e estava normalizado para a Marinha.

 


PROFILES


   
   

 


TA-7
- Tipo de aparelho -

 

Alçado Lateral
Alçado Superior Alçado Frontal Alçado Inferior 

 

Tripulação Comprimento Envergadura Altura Superfície alar
2  m  m  m  m2
Peso vazio
Peso máximo à descolagem
Velocidade máxima Autonomia Altitude operacional
 kg   kg  km/h  km   m 
Motorização
 
Armamento
  

RESUMO DA VARIANTE/VERSÃO


O TA-7 era uma versão bilugar, sendo usada para treino de formação dos pilotos destinados a voar as versões monolugares.

 


PROFILES


   
   

 


A-7P
- Tipo de aparelho -

 

Alçado Lateral
Alçado Superior Alçado Frontal Alçado Inferior 

 

Tripulação Comprimento Envergadura Altura Superfície alar
   m  m  m  m2
Peso vazio
Peso máximo à descolagem
Velocidade máxima Autonomia Altitude operacional
 kg   kg  km/h  km   m 
Motorização
 
Armamento
  

RESUMO DA VARIANTE/VERSÃO


Portugal adquiriu 50 aviões, sendo 44 da versão A-7P e 6 da versão TA-7P (bilugares), com números de cauda 5501 a 5544 (A-7P) e 5545 a 5550 (TA-7P)

Esses aviões foram modificados e convertidos (no caso do TA-7P) a partir de células excedentes da versão A-7A da Marinha, dotando-os de reatores TF30-P-408 e com aviónicos semelhantes à versão A-7E.

Entraram ao serviço em 1981 e foram abatidos em julho de 1999. Nos 18 anos ao serviço da FAP, perderam-se, em acidentes, 16 aparelhos.

 


PROFILES


   
   

 


INFORMAÇÃO ADICIONAL


 Sites e Blogs
Wikipedia-Pt Military Factory Air Vectors Aircraft Information
       
 Bibliografia
 Aviões de guerra Aviões-TPM  
 Aviões de Guerra Aviões - Tecnologia de ponta e mobilidade Airfix Model World - Issue 50 - 01/2015  

  


 Última atualização da página: 08/08/2018